Teatros

0

TEATROS inclui três peças com cariz simultaneamente didáctico e lúdico.

TOCA, NÃO TOCA E VOLTA A TOCAR, peça em 8 quadros, um prólogo e um epílogo, foi criada a partir da peça de António Torrado Flauta sem Mágica. Segundo o autor, «é uma peça essencialmente ecológica (…) vocacionada para os mais novos.(…)aborda a temática da poluição sonora versus fruição musical, da poluição do ar versus ar puro, da polifonia versus monotonia (…)».

JARDIM CELESTE, opereta em 2 actos na qual, a propósito da inauguração de um chafariz e de um urinol se desenrola uma mordaz crítica social.

Na peça MARESIA, ode cómico-trágico-marítima em 2 actos, o pequeno Chicharrinho segue com curiosidade e interesse as histórias das aventuras do Avô Zé Chicharro e do Faroleiro Ti Jão que retratam vários episódios da vida de uma comunidade piscatória.

Autor:

Concelho do autor:

Editora:

Data de Edição:

Local de Edição:

ISBN

972-97776-0-8

Prefácio

«Retratar os costumes afifenses, as tradições locais mais ou menos longínquas, parodiar as figuras típicas da Terra, criticar as entidades e os poderes instituídos, não é apanágio de qualquer um, é sim de quem tem muito amor a Afife, de quem tem a coragem e a sabedoria de mostrar aos coevos o que foi e ainda é a vivência local, enfim de honrar o trabalho realizado ao longo dos últimos cem anos (se não mais)pelos Grandes Homens do Teatro em Afife.»

Casimiro Puga

Excertos

Excerto de TOCA, NÃO TOCA E VOLTA A TOCAR

1.° QUADRO

A Banda tocando com brio, sob a direcção do MAESTRO PALHETA. Músicos da Banda: CELESTINO da flauta, MARIA BENAMOR do tambor (vestida de majorette), MOURATO dos pratos e mais alguns executantes (clarinete, saxofone, trompete, acordeão, etc.)Os músicos, diante das respectivas partituras, esmeram-se na execução. Grande exuberância musical. Os músicos no ensaio podem estar fardados ou não, a não ser Maria Benamor, vestida de majorette. A banda toca uma peça de música completa. No início da segunda peça ao fundo do palco vão começar a ser montados diversos praticáveis que vão sugerir uma fábrica. Esta instalação vai ser feita pelos personagens CINZENTÕES. A meio mais ou menos da segunda peça, a banda começa a desafinar, mas ainda consegue terminar a música. No início da terceira peça, o Maestro Palheta vai dar entrada à flauta. Dá entrada mas o flautista não corresponde. Interrupção. Os pratos tocam a destempo.

MAESTRO PALHETA – Alto, alto e mais alto. Então essa flauta vem ou não vem? Outra vez! Do princípio. (pausa) Atenção! Um e dois e… Arrancar!

(Arranca de novo a música. Para dar entrada à flauta, o Maestro Palheta imprime mais ênfase ao gesto. O flautista esforça-se, mas não corresponde ao tempo. Interrupção. Os pratos, de novo, tocam a destempo. Outras estridências. Os músicos estão encabulados)

MAESTRO PALHETA – (batendo furiosamente, com a batuta na estante) lrra, irra e mais irra! Uma escorregadela ainda vá, mas duas e seguidas… já não tem explicação. Toma cuidado Celestino, que da próxima não perdoo. Atenção! Um e dois e… Arrancar!

(Arranca de novo a música. Ao chegar ao tempo da flauta, interrupção. O dos pratos suspende o gesto, no último instante)

MAESTRO – (batendo desesperadamente com a batuta, que pode partir-se…) Irra, irra e mais irra! Mas o que é que se passa com essa maldita flauta? Não toca? Está entupida ou quê?

CELESTINO DA FLAUTA – Está entupida.

MAESTRO – O que é que eu ouvi? A flauta está entupida? O que queres dizer com isso?

CELESTINO – Por mais que sopre, a flauta não toca.

MAESTRO – Essa é muita boa. Dá-ma cá. (Celestino entrega-lhe a flauta. Maestro sopra em vão) Pois não. Realmente, a flauta não toca. Que lhe terá dado?

MARIA BENAMOR – Há outra flauta no vestiário.., na primeira gaveta a contar de cima, à esquerda de quem entra.

MAESTRO – (para Celestino) Vai buscá-la. Despacha-te. Anda. (Celestino sai) Entretanto, nós vamos ensaiar para a frente, a partir do acordeão, segunda página ao alto. Entra o acordeão, acompanha-o o trompete e, depois, todos à uma… Estão a ver? Atenção. (empunhando a flauta como se fosse a batuta) Um e dois e… Arrancar!

(O do acordeão esforça-se. Os outros instrumentos olham-no. Incitam-no. Não sai som.)

MAESTRO – Irra e mais irra e mais irra, vezes cinco. Que temos agora?

O DO ACORDEÃO – Está entupido. Não toca. Até me doem os braços de tanto dar aos foles.

O DA TROMPETE – O meu também não toca. Até me doem os ouvidos de tanto soprar.

(Mais instrumentais se queixam dos ouvidos)

CELESTINO (regressando) – A flauta que estava guardada é igual à outra. Não toca.

O DA TROMPETE – (experimentando-a e sacudindo-a) Está inutilizada. Não dá som.

O DO SAXOFONE – Nada de nada. Nem um suspiro. Não toca.

MAESTRO – Irra e mais irra e mais irra, vezes trinta. Que diacho se está a passar na nossa banda? Perderam todos o fôlego? Os instrumentos ganharam moléstia? Na Banda da Sociedade Filarmónica Harmonia e Progresso nunca tal se viu. Tenho vinte e cinco anos – vinte e cinco anos! – de regência de bandas e é a primeira vez que os músicos se recusam a tocar.

VÁRIOS (em coro desafinado) – A culpa não é nossa.

CELESTINO (aflito) – Maestro Palheta, Maestro Palheta! Olhe para os papéis, as partituras… As notas estão todas a desaparecer. Não se aguentam nas linhas.

MAESTRO (trocista) – O quê? Não se aguentam nas linhas? Caíram para o chão, foi?

MARIA BENAMOR – É verdade Maestro Palheta. As notas estão a desaparecer.

O DA TROMPETE – Apagaram-se!

O DO ACORDEÃO – Fugiram!

CELESTINO – A música está com doença!

O DO CLARINETE – Deu-lhe a peste!

MOURATO DOS PRATOS – E a peste pega-se. (deixa cair os pratos ruidosamente)

O DO ACORDEÃO – Toca a fugir.

O DO SAXOFONE – Salve-se quem puder!!!

(Vários gritam, fugindo, atordoados e ainda queixando-se dos ouvidos. Caem estantes, instrumentos e cadeiras)

MAESTRO PALHETA – A Banda da Sociedade Filantrópica, Columbófila e Filarmónica Harmonia e Progresso encerrou, provisoriamente, as suas actividades. (noutro tom) Irra e mais irra e mais irra, vezes cem. Irra, irra, irra, irra, irraaaaaaaa. (sai)

Excerto de MARESIA

1.° QUADRO

CHICHARRINHO – Avô… Avô… Avô… (irrompendo pela cena) Avô… (depara com o avô no cesto da gávea) Ahh… estás ai avô. Posso ir para a tua beira? (gesto afirmativo do avô) Obrigado avô. (miúdo trepa para a gávea) Cá por riba está um frio de rachar. (gesto de concordância do avô) Avô, podes contar-me mais algumas histórias ou ensinar-me coisas sobre o mar? (gesto afirmativo do avô) Conta lá então, avôzinho.

(Silêncio grande e confrangedor. Avô pigarreia e começa)

ZE CHICHARRO – Meu querido netinho; a última história que te contei há dias atrás, tinha sido sobre uns antepassados nossos que se tinham debatido com um gigante, até conseguirem dobrar o cabo das Tormentas. Passou-se isso no tempo de El Rei D. João II. Ainda te lembras como se chamava o navegador que ousou tal feito?

CHICHARRINHO – Lembro-me avô. Chamava-se Bartolomeu Dias.

ZÉ CHICHARRO – E o gigante?

CHICHARRINHO – (pensativo) Adamastor.

ZÉ CHICHARRO – Tens a memória fresca, rapaz. Este velho pescador já se vai esquecendo de algumas coisas, mas com a graça de Deus ainda tem muitas histórias para te contar e muito para te ensinar.

CHICHARRINHO – Conta avô, conta. Ou então ensina-me coisas do mar.

ZÉ CHICHARRO – Isto que te vou ensinar é sobre um peixe da Terra Nova. Antigamente pescava-se de dóri e à linha. Hoje, com as novas tecnologias estão a dizimar tudo. A fome vem pelo mar meu rapaz. Sabes que peixe pescavam por lá, cachopo?

CHICHARRINHO – Não avô, não sei.

ZE CHICHARRO – Ainda hoje se pesca algum, mas já não é para as carteiras dos pobres. Escuta lá então…

(Vão entrando alguns personagens simbolizando bacalhaus)

CANÇÃO DOS BACALHAUS:

REFRÃO:

“FIEL AMIGO”
Nós somos o bacalhau.
Temos feito as delícias
Do povo de Portugal.

Nossa pesca era à linha
Em tempos que já lá vão.
Somos agora arrastados
Para o fundo do porão.

De tanta “coça” levarmos
A cota foi reduzida.
É uma boa maneira
P’ra nos salvar a vida.

REFRÃO

“FIEL AMIGO”
Nós somos o bacalhau.
Temos feito as delícias
Do povo de Portugal.

Somos muito pretendidos
Ricos ou pobres, é igual.
P’rós ricos é todo o ano
P’rós pobres só no Natal.

Se não houver protecção
Somos mesmo exterminados.
O mar é de toda a gente
Sejam lá civilizados.

REFRÃO:

“FIEL AMIGO”
Nós somos o bacalhau.
temos feito as delícias
Do povo de Portugal.

(Saem)

Avaliações

Ainda não existem avaliações.

Seja o primeiro a avaliar “Teatros”