Sargaço

0

SARGAÇO, após a apresentação feita pelo autor e uma dedicatória, oferece-nos um conjunto de 43 poemas abordando temas muito diversos.

Autor:

Concelho do autor:

Editora

(Autor)

Data de Edição:

Local de Edição:

Prefácio

Quemquer que sejas, leitor, ofereço-te este meu livro. A maior parte destes poemas foram escritos a cem metros do mar; alguns até pediram a cadência ao ritmo das ondas que se espraiavam nuns rochedos, parentes chegados dos Cavalos de Fão. Se uma autobiografia pode prescindir de ordem no tempo e de lógica nos temas, vê nestes poemas dados biográficos duma alma gémea da tua.

(…)

Porque foram escritos ou, pelo menos revistos, nesta era em que o homem se procura adaptar às exigências da vida moderna, acontece que à solidão do monólogo de «AURORA DE RIMAS» se segue agora, em «SARGAÇO», o diálogo, a procura…

(…)

Outros

Badanas

As badanas apresentam algumas opiniões sobre a poesia de Carlindo Vieira (Carlos Miguel)

Excertos

INCONFORMISMO

Não. Não quero parar no deleite de mim mesmo.

Antes o trepidar da caminhada

que o sono da pousada

Ao sossego da chegada ou à lógica da conclusão, antes a esperança dum começo, o sol duma alvorada.

Quero partir!…

Soltar-me dum passado estreito, matemático, onde a vida é canção de pautas antigas.

Passear a minha curiosidade pelas bilheteiras da gare.

Como a água que sacode o mar, o viço que desabrocha a árvore, quero arquivar o passado, despedir-me do presente para compor o futuro.

Quero rasgar o testamento, porque desejo ser destino.

Avaliações

Não existem opiniões ainda.

Seja o primeiro a avaliar “Sargaço”