Farol do Bugio II Volume

0

Colectânea de textos publicados na imprensa regional entre os anos de 1983 e 1992.

Autor:

Concelho do autor:

Editora

(Autor)

Data de Edição:

Local de Edição:

ISBN

76177/94

Prefácio

Durante vários anos, publiquei diversas crónicas sociais, de ambiência local, nos periódicos da região. Umas, isoladas e ao correr da pena; outras, inseridas em variadas secções jornalísticas. Assim, aparecem-nos Farol do Bugio, no Notícias de Viana; Bica Aberta, em Falcão do Minho e À Boca da Barra, no Aurora do Lima. Foram tantas a s crónicas que, agora, ao pretender fazer a respectiva compilação, foi impossivel reuni-las num só volume. Daí, a razão deste segundo tomo. Como são publicadas, por ordem cronológica, facilmente se ajuiza do impacto e da origem de cada uma, no tempo e no espaço. A análise conjuntural das mesmas tecerá a história das lutas reivindicativas da região, em prol do seu engrandecimento. Explicará, também, não só o sub-desenvolvimento do Alto-Minho, como ainda o muito que há por fazer. Assim os homens queiram e Deus os ajude.

Outros

Badanas

Na da capa – referência à obra A Casa Rural Minhota por Fernando Melim, em Foz do Lima de 22/1/93 e por Júlio Vaz, em Cávado de 4/2/93. Na da contra-capa – referência à obra Farol do Bugio por Júlio Vaz, em Cávado de 10/12/92 e por Fernando Melim, em Foz do Lima, de 30/10/92.

Contra capa

Proposta de Voto de louvor pelo Vereador da Câmara Municipal de Viana do Castelo, Carlos Baptista, em 15 de Setembro de 1987.

Excertos

Centro Concelhio de Recolha Cultural

N.V. 13/1/1983

Dentro do ciclo e da temática «Defesa do Património» ,fizeram-se, ultimamente, umas coisas em Portugal.

As entidades oficiais deram subsídio, as Escolas e as Associações forneceram pessoal e a população deu receptividade e cobertura, sempre aque foi solicitada.

Abriram-se círculos de estudos pertinentes, inventariaram-se valores culturais perdidos, fotografaram-se e filmaram-se monumentos, fizeram-se levantamentos culturais, organizaram-se inquéritos de literatura oral, de usos e costumes, de labores e dizeres.

Tudo isto foi e continua a ser feito, embora em escala reduzida.

Qualquer associação, por mais modesta que seja, não deixou de dar o seu contributo.

DEVOÇÃO A NOSSA SENHORA

F.M. 20/8/1992

Com o brilho a que habituaram naturais e forasteiros, vão realizar-se, mais uma vez, na marinheira cidade de Viana do Castelo, os tradicionais festejos, em honra da Senhora d´Agonia.

(…)

As festas da Senhora d´Agonia não têm par, ao longe e ao perto.

Avaliações

Não existem opiniões ainda.

Seja o primeiro a avaliar “Farol do Bugio II Volume”