Antologia Poética de Castro Gil

0

Esta é uma antologia. Aquela que o seu organizador, o Dr. Alberto A. Abreu, julgou possível, como o diz no respectivo prefácio, que transcrevemos na íntegra em COMENTÁRIOS/ESTUDOS… e aconselhamos a ler.

Autor:

Concelho do autor:

Editora:

Data de Edição:

Local de Edição:

ISBN

972-588-135-4

Coordenação/Organização

Alberto Antunes de ABREU

Prefácio:

Excertos

ENTARDECER

Caem do dia os últimos lampejos
De agonizante a quem tocou a sorte.
Faltas de ar, estertores, ânsias, morte
Carpideiras – os rouxinóis nos brejos.

A vida cai também nos lugarejos.
Não se ouvem já os boieiros de voz forte;
Rebanhos e chocalhos vão à corte,
As frautas dos pastores não têm arpejos.

O dia morre como morre a gente
Orações, crepes, noite de presente
E vem dulcificar-lhe as agonias,

Enquanto que da torre descem lentas,
Num réquiem de piedade e luzes lentas,
Florinhas a rezar ave-marias…
(de O meu caminho é este)

 

A SÁ DE MIRANDA

Pina Martins, Farinha, Félix e eu
Fomos à Casa-Quinta da Tapada:
Das dez à uma a pé, bela jornada
Em que muito se viu e se aprendeu.

Durante o sobe-e-desce, aconteceu
Poesia engrinaldando a caminhada:
Pina Martins a dá, bem recitada.
Até na Fonte em que cada um bebeu.

De vez em quando, o porte da sequóia
Parecia o de guardiães daquela jóia
Que o bom Sá foi, com arte, lapidando.

O Poeta não estava à nossa espera.
Mas na Quinta e Solar onde vivera,
Ele nos abraçou como se estando.
(No dia de S. Tiago de 1998)
in.: A Fonte de Hipocrene cinquentando

 

A ILHA VERDE

Desce a chuva fria e densa,
Que põe nas ondas tons de mau agoiro.
De velas pandas sobre a estrada imensa
Eu levo no meu barco um sonho de oiro.

Nem vejo a noite que se espessa e gela.
Barco e barqueiro não ouvimos nada.
Mas de ambos rumo certo é a ilha bela,
A Ilha Verde, meta da jornada.

O barco finge não recear ninguém.
A distância é babugem que se apaga.
No entanto, a tempestade sobrevém
E tudo desconjunta e tudo alaga.

Em frente à Ilha Verde, à flor das águas,
Eu só, Robinson outro, preso às tábuas.

(Coimbra, 1951)
in.: Caminhos de Emaús

Avaliações

Não existem opiniões ainda.

Seja o primeiro a avaliar “Antologia Poética de Castro Gil”